Sexy por Acidente: a comédia romântica necessária

Atualizado: 22 de Jul de 2019


Lançado em 2018, o filme Sexy por Acidente (do inglês: I Feel Pretty) recebeu internacionalmente diversas críticas sobre seu gênero e roteiro. Muitos avaliaram negativamente a forma como ele discute a autoestima e a escolha da comediante Amy Schumer no papel principal. Mas por que você deveria assistir a esse filme?


O longa-metragem conta a história de Renee Bennett, interpretado por Amy Schumer. Sim, uma mulher que não chega a ser gorda, mas carrega o adjetivo simplesmente por ter uma barriga saliente e o rosto arredondado. Nos primeiros minutos do filme fica claro o descontentamento da protagonista com o próprio corpo. Há uma cena em particular que apresenta um momento bem familiar para toda e qualquer mulher: Renee chega em casa, passa os olhos pelas revistas de moda e beleza com mulheres padrões modelando na capa e se encara no espelho. Os olhos analisam todo o reflexo, pedacinho por pedacinho, e deixa claro a decepção. Aquele olhar por não ser nada semelhante às mulheres estampadas nas revistas.


O filme destaca muito a questão de como somos constantemente bombardeadas pela mídia e pela sociedade com o discurso que relaciona o corpo padrão ao sucesso, à beleza e ao amor. Um padrão que nem o corpo da Amy Schumer (novamente, que não é gorda) alcança. Apesar de se tratar de uma comédia, o filme não vem com piadas fáceis sobre o corpo. Pelo contrário, não há qualquer crítica de outros personagens sobre a protagonista ser gorda ou algo do tipo (até porque ela não é). E, por isso, ele mexe de fato na ferida: não são proferidas palavras, mas olhares de estranhamento, narizes tortos e sobrancelhas franzidas.

Depois de nos colocar a par de como a baixa autoestima dela afeta todas as partes de sua vida, ela cai e bate a cabeça. Quando acorda, se assusta ao olhar para o próprio corpo e perceber seu reflexo. Exatamente como mágica ou um “encantamento” (como se refere), Renee ama tudo o que vê no espelho e não consegue acreditar em quão bonita está. Tanto que, ao encontrar pessoas conhecidas, como suas melhores amigas, ela acredita que tem que convencê-las de que ela é a Renee, pois está totalmente maravilhosa, como nunca foi.

Rory Scovel no papel de Ethan, par romântico de Renee

A confiança que a personagem desenvolve é apresentada em várias situações junto ao contraponto da confusão no rosto das pessoas que a encontram pós encantamento. A questão é que a confiança de Renee a faz acreditar que o mundo a estava enxergando tão bela quanto ela. Isso traz algo deve ser ressaltado: nós paramos de nos importar com a opinião alheia sobre nosso corpo quando fazemos as pazes com a imagem refletida no espelho.


Por muitas outras cenas vemos essa nova protagonista apaixonada por si, completamente segura e com a autoestima elevadíssima. Em determinada situação, Renee fala uma frase que considero o nível básico de como construir uma boa autoestima: “Eu sei que sou bonita e não preciso de caras afirmando isso”.

Vivian (Aidy Bryant) e Jane (Busy Philipps), melhores amigas de Renee

Ao começar a alcançar objetivos que tanto almejava, ela começa a reproduzir o discurso daqueles que tanto a oprimiam e isso traz uma outra lição. Fazendo parte ou não desse padrão de beleza, estando ou não com autoestima elevada, não há razão para desmerecer o outro. Por que ao reparar no que é diferente nós não elogiamos ao invés de criticar? O que custa lembrar a outra da beleza que ela carrega?


O enredo do filme ainda passa por alguns outros percalços que deixarei fora dessa crítica para evitar spoilers. Gostaria de focar na mensagem que ele traz sobre enxergar a pessoa como ela realmente é (o outro e a si mesmo). É se olhar com carinho no espelho e deixar toda e qualquer crítica fora do seu olhar; é ter confiança em si e não a deixar escapar; é ser mais forte e entender que a única opinião sobre você que importa é a sua.


Apesar da atuação maravilhosa da Amy Schumer (ao ponto de esquecermos do tipo de comediante que é e das piadas que faz), eu gostaria de ver uma mulher realmente gorda no papel principal, como Vivan (interpretada pela Aidy Bryant), a amiga da protagonista. O filme é no estilo Sessão da Tarde que consegue agradar a todos e cumpre seu papel ao trazer reflexões sobre beleza e autoestima. Ele é o típico filme de comédia romântica que segue a receita e deixa a desejar nas questões dramáticas, mas não fica na mesmice ou no estereotipo. É o filme de comédia romântica necessário para atingir um maior público carregando a problematização que carrega.



Onde encontrar o filme:

  • Prime Video

  • Looke

  • YouTube Filmes

-

#ifeelpretty #sexyporacidente #crítica #review #resenha #autoestima




136 visualizações

QUER RECEBER NOSSA NEWSLETTER?

  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon

© 2019 por Revista Hilda.