Afinal, o que é mercado plus size?

Atualizado: Ago 5


Muitos pesquisadores e formadores de opinião classificam a moda plus size como segmento dentro do que chamam mercado da moda. Um nicho. O mercado de moda é dividido em segmentos para facilitar a confecção, o design e a definição de preços. Assim, a indústria brasileira está segmentada em algumas divisões: moda feminina, moda masculina, moda adolescente, moda infantil e bebê, moda plus size, entre outras.


Dessa maneira, hoje, quando muitos se referem à mercado plus size, estão contextualizando a cadeia existente dentro do processo de produção têxtil de moda plus size apenas. Faz muito sentido, mas defendo que é hora de mudar essa visão e esse conceito. Até para podermos crescer mais.


Eu defendo que hoje o plus size é um mercado constituído sim, mas de uma maneira mais ampla, aberta e complexa, e se refere a negócios que se movimentam paralelamente e acima do conceito de mercado de moda regular amplamente explorado hoje. Assim, nasce o que defendo por novo conceito de mercado plus size: um nicho de negócios estabelecido, que apresenta um conjunto de segmentos diversos e traz as mais variadas necessidades dentro do ciclo da vida de uma pessoa.


Considero aqui, que segmentos apresentam fragmentações associadas as mudanças sociais, culturais e avanços tecnológicos. Considero também a teoria de Maslow para essa conceitualização.


Abraham Maslow (1908 - 1970) foi um psicólogo comportamental que ficou conhecido pela hierarquia das necessidades, divulgada em 1943. Ele argumentava a existência de uma pirâmide de necessidades paralela ao ciclo de vida das pessoas: quando o nível de necessidades anterior está satisfeito, passa-se ao seguinte. A teoria de Maslow é conhecida como uma das mais importantes teorias de motivação. E, assim, partindo também desse raciocínio, nascemos e crescemos enquanto mercado na minha opinião.



Pirâmide de necessidades baseada na Teoria de Maslow (Imagem: Central do Franqueado)

Fazendo analogia em relação à pirâmide, no universo plus size, lutamos por respeito e, então, autoestima e autorrealização; depois por pertencimento; na sequência por segurança e proteção; e a próxima etapa vestimenta. Partimos para ocupar espaços e passamos a entender a necessidade de locomoção e acessibilidade. A partir daí, legislação e depois por literatura. Depois dessa fase, vem a educação e a formação profissional e, por seguirmos identificando necessidades oportunidades, fazemos o mercado crescer além da moda, se estabelecendo e subindo a pirâmide.


A partir desse raciocínio, temos o mercado plus size que se apresenta com diversos segmentos (que são as pequenas divisões e diferentes caminhos que podem ser seguidos dentro de um grande mercado), como: segmento de moda, vestuário e calçados; segmento de joias, bijuterias, relógios e acessórios; segmento de feiras, lojistas e expositores; segmento de negócios envolvendo consultores, especialistas, estatísticos; segmento de marketing e comercial com agências, bookers, agentes; segmento de modelos; segmento de comunicação com jornais, revistas, portais digitais, agências de notícias, programas de tv; segmento de marketing de influência e criação de conteúdo com seus influenciadores; segmento industrial com suas máquinas e equipamentos; segmento educacional com cursos específicos de formação livres, de nível técnico, universitário e de extensão; segmento de mobilidade e acessibilidade com móveis, transporte, construção civil; e muito mais.


Hoje, já somos um grande mercado estabelecido que ainda atua na informalidade, em sua maioria, mas constituído, se organizando e crescendo. Reconhecer esse mercado, profissionalizá-lo e ampliá-lo é nosso dever e nossa responsabilidade na busca pela evolução econômica e pela inclusão. Reconhecer nossos segmentos e definir necessidades é um importante passo para a ação. Arregaçar as mangas, formar profissionais, cobrar nossa presença e representatividade e se estabelecer de fato.


Como especialista em mercado plus size, e aqui eu me refiro ao novo conceito de mercado plus size, defendo nossa organização e impulsionamento do crescimento com urgência. E só nos organizando enquanto mercado chegaremos lá, atrairemos investidores, conquistaremos mais espaços. Enquanto especialista em mercado plus size, assumo a posição de especialista em negócios e no universo plus size como um todo. Com formação específica para tal e pesquisas que me permitem conceituar, definir, orientar, profissionalizar e dar direção a esse universo.


Atualmente, em meio à pandemia causada pelo coronavírus, estamos observando, muitas vezes, inertes a uma avalanche de mudanças. Vamos precisar nos reinventar. Consumo responsável, solidariedade, propósito e inclusão são palavras de ordem nos próximos passos, além da necessidade de valorização da economia brasileira, dos pequenos produtores e negócios nacionais.


Atualmente, 54% da população brasileira está acima do peso considerado ideal e estamos ávidos por um lugar na sociedade. Um lugar em que a locomoção seja possível; ter peças e opções de vestimenta disponíveis seja uma realidade; cadeiras de restaurantes, camas de hotel e poltronas de avião acomodem nossos corpos; acessórios nos sirvam; haja formação de mão de obra especializada em plus size em vários segmentos; e por aí vai. Temos, agora, no momento presente, a oportunidade de incluir socialmente e crescer economicamente.



Fontes:

Segmento de Mercado – Público Alvo – Professor Odair Tuono

Manas à Obra – coautoria Dani Rudz

-

#mercadoplussize #modaplussize #mercadodemoda #plussize




100 visualizações

QUER RECEBER NOSSA NEWSLETTER?

  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon

© 2019 por Revista Hilda.